domingo, 28 de maio de 2017

...Foices...

Você não entende?!
A morte olhou-me nos olhos
Fria como um leão
Brandindo sua foice
Fazendo-a reluzir
E a cada passo
Abstrato
Verdadeira
Ou filosófica
Entenda como quiser!
Desejando
Ansiando
Ceifar
Abortar minha existência
Em meio a cedros mortos
Sobre a terra queimada
Caminhava como um deus
Sorria, ironicamente
Jurando
Achando
Ou com a certeza de minha fuga
Mas não pude
Aquela voz
Sempre aquela voz
Não sei se vontade, instinto
Ou mera teimosia
Aquela mesma voz me lembrava
O juramento
Que jamais
Tendo a terra sob meus pés
E aquele tesouro enraizado em mim
Jamais
Deixaria de erguer
Me levantar
Mesmo que a dor fosse insuportável
Ainda faria o que pudesse
Jamais
Nunca mais
Realmente você não entende!
Não foi só um sonho
Ou meu próprio desespero
Mais uma vez pude vê-la
Mais uma vez ela olhou diretamente em meus olhos
E tive que enfrentar
Porque jamais deixarei de levantar meus punhos
Erguer minha cabeça
Ou afiar meu coração
E deixar de lutar
Ela voltará, até que um dia não possa ou tenha forças
Para afrontar seu nefasto desejo
E mais uma vez dizer: Hoje não!
Não será neste dia
Assim, talvez você não entenda!
Mas, até a próxima vez, que sei que me olhará
Friamente, com esses olhos prontos a me dilacerar
Olhos de um leão desejando sangue
Olhos vermelhos, rajados com tanto ódio
Sem ponto
Vírgula
Ou letras coerentes
Voltará a tentar, com um método ainda mais cruel
Sei que pensas como um mero homem
Criança
Ou macaco
Pode se colocar entre eu e meu desejo
Só posso responder
Obrigado por ensinar-me
Como mais cruel e ainda assim professor
Como um anjo que só sabe destruir
Como a morte
Que me força a lutar pela vida

Nenhum comentário :