Mostrando postagens com marcador Desafios. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Desafios. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 30 de março de 2018

...Esforço...


Muitos não entendem o significado desta palavra, enquanto outros são exemplos vivos. Há diversos níveis de esforço, e este leva muitos mais longe em sua corrida da vida. Há ainda aqueles que o possuem em altos níveis, mas devido à pressão externa
são sufocados. Mas o que define o esforço, em sua forma mais simples, é lutar contra um mundo inteiro e ainda assim buscar forças para vencer.



segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

...Brilho e sons...

Sonhar, no manto do céu, viajar
Seguindo as estrelas refletidas no mar
Que o tempo além da ilusão traga a reflexão
O tempo de saber que querer é poder
Quem sabe então ouvir a voz que ecoa em meu coração?
Das estrelas do céu às conchas do mar
Ouvir o som que me faça sonhar
Para que a voz ecoe pelo céu 

E, em um simples olhar, preencha com tinta o papel.




...Segundo desafio poético...

segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

...Elementos a destruir, elementos a salvar...

Ao abrir os olhos
Ao ouvir o sussurro dos ventos
Em meio à tempestade, furiosa, gritando lamentos e cólera, encontro-me numa batalha sem fim.
O som da tempestade desperta o terror e a vontade insuperável
Como se a catástrofe e as ruínas que o tempo deixou convocassem, desafiassem-me a reagir.
Não compreendo o destino, não acredito nele, não mais.
E assim, os ventos se tornam...
Um cenário ainda mais assustador
Obrigando a raiva, que como fogo tenta dominar o meu espírito semelhante à água.
E a água torna-se revolta, agredindo as chamas que ainda queimam, a vontade em mim.
Da colisão, da fusão, nascem novos pensamentos, emoções.
Deixando apenas o céu como testemunha, e a lua que sei que jamais me abandonará.
Brisa, entre os sonhos e a realidade, tornando todas as tempestades e transformações entre fogo e água, um belo bailar.
Entre as forças tão naturais, como o vento, entre a destruição e a saudade.
Brisa. A me levar, através do mar, lunar, um oceano de estrelas para cruzar.
Às vezes como deusa, outras como mortal, um espírito fugaz, fada celeste, vivendo a sorrir e quem sabe, um dia encontrar a estrela do meu sonhar.
O aroma que sempre senti, o olhar sempre a sorrir.

Primeiro desafio do meu primo Vinícius, construir um texto a partir de imagens escolhidas.

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

...O Sábio Com Roupas de Palhaço...

Passava pela estrada onde muitos peregrinos passavam, e os homens o estranhavam, pois vestia roupas de palhaço, mas não tinha sobre a cabeça o tradicional chapéu de bufão, carregava só um bastão com uma trouxa na ponta e andava cantando. Os viajantes pensavam tratar-se de um louco. Até que um certo dia, o velho viajante passou com suas roupas de palhaço em frente a um sábio, que com um grande sorriso disse aos seus seguidores:
- Viste aquele homem? Ele possui a verdadeira felicidade.
Nem um dos discípulos entendeu as palavras de seu mestre.
Ao cair daquela noite três dos homens que acompanhavam o sábio procuraram pelo viajante e ao achá-lo de joelho imploraram:
- Nos ensine como obter a verdadeira felicidade, por favor.
O velho peregrino olhou para o céu rep1eto de estrelas e disse:
- Não tenho moradia, não tenho nem uma roupa, a não ser a que visto. E muitas vezes me falta até o que comer, mas todas as noites quando olho para ao céu, agradeço ao criador por poder ver as estrelas, quando uma suave brisa vem ao meu encontro agradeço ao criador por poder senti-la, quando ouço o canto de uma linda ave agradeço ao criador por aquele momento onde até a natureza pode celebrar a vida comigo – e com uma voz serena o velho homem que andou pelo mundo inteiro vendo e desfrutando de tudo que ha de mais belo na natureza completou – para mim isso é ser feliz.