Mostrando postagens com marcador Nota jornalística. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Nota jornalística. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 29 de janeiro de 2019

...Indignação...


Já falei mais do que podia sobre esse assunto, mas ver a história se repetir é muito mais que uma fatalidade, é um crime hediondo!















Quantas vezes mais isso haverá de acontecer?!

https://espelhodaseras.blogspot.com/2015/12/aonde-o-ser-humano-quer-chegar.html

Um lugar pode ter sido diferente mas a dor é igual!

segunda-feira, 15 de outubro de 2018

...Os tempos mudaram...

Os tempos mudaram.
Em meio a uma confusão de opiniões religiosas, políticas, e de mídias inescrupulosas e manipuladoras, grupos populares ditos como formas de alcançar direitos específicos à sua classe correspondente na sociedade, levantam-se com certo furor de forma a serem respeitados pela força, mas que, na verdade tentam conquistar, dividir, repartir e transformar deveres em privilégios sem consequências. Tornando o poder algo inconsistente e manipulável a conhecedores de brechas jurídicas e morais.
Comecei o texto de forma singular, até complexo de ser entendido, pois vejo pessoas que não compreendem o que vivem. Temos inúmeras opiniões e pontos de vista sobre todas as áreas e temas possíveis. Mas torna simples de entender desta seguinte maneira:
Poderes antigos que, há algum tempo, governavam opiniões, perdem força. Nossas mídias cresceram desta forma e hoje lutam para manter-se vivas. Em paralelo, hoje formam-se opiniões ditadas por mídias que há muito beiram à inconsequência, a internet ganha um grande espaço, sem o compromisso da verdade, não que a mídia que consideramos profissional exerça alguma responsabilidade também.
Foi-se o tempo que uma notícia, dirigida por meios inescrupulosos que visam apenas manter o medo e a raiva como forma de controle, tornara-se lei incontestável. Porém, pensando da mesma forma, não podemos manter um padrão moral apenas pensando com o mundo em constante transformação.
Leis devem ser transformadas, pensamentos públicos precisam crescer e pessoas entender que antes de sermos negros, homossexuais, mulheres ou qualquer outra divisão fenotípica somos humanos. Leis precisam ser pensadas em todos nós antes de um grupo específico. Muitos dirão que isso já existe, mas quero dizer: “Chega de cotas, chega de privilégios à um grupo apenas”, quero respeito a todos, quero o direito de ter um emprego de acordo com minha capacidade, um salário justo, uma vida sem tanto medo de sair de casa, quero um mundo como todos querem.
Utopia, pode até ser, mas cansei de ver injustiças, feministas lutando por direitos que já tem, afro-brasileiros encontrando um meio de se diminuir para poder crescer, ou qualquer outro grupo simplesmente não sabendo o que quer, mas querendo tudo o que há.
Sim, é um momento de se tomar cuidado, pois partidos transformam ideologias em pequenos conflitos que inebriam mentes, afinal, enquanto tantos lutam pelo nada, onde seus ideais tornam-se armas contra si mesmo, poucos conseguem enxergar além, a realidade é que enquanto houver separação, aqueles que se dizem espertos confundem, destroem, simplesmente com teorias absurdas. Pois a moral é uma: amar, respeitar e ser respeitado, não faça a outros o que não querem que seja feito a você.

Faço um apelo à consciência, dos poucos que lerem este humilde texto, não nos definimos por sermos homens, mulheres, homossexuais, cristãos, umbandistas, ou qualquer outro tipo de denominação. Nos definimos por sermos humanos, e como humanos precisamos entender que onde acaba o meu direito começa o do próximo.
Como nota final, agora que temos a chance de mudar, pensem no que querem pro futuro do Brasil, votem conscientemente.