quinta-feira, 3 de dezembro de 2020

...Humilde Artista...


Andando pelos campos floridos

Vejo o jardim que mais quero pintar

Entre flores azuis como o mar

Ou violetas

Separo as cores e sinto como aquela flor quer ser

A cada pincelada torno-me um co-criador

Que vê beleza em sua criação

E a certeza em seu coração

Que esta cor ficou bom

Assim sinto que pintar faz parte do meu ser

Assim como escrever

Um artista ao nascer

O nascer de um artista

Que brinca com as palavras e colore com tinta

Assim vivendo pelo que acredita

Colorir o mundo e o tornar um pouco mais belo

Transformando a cada pétala de flor em um poema

Mas ao fim lembrando que sou apenas um humilde artista.

(Poema dedicado à Exposição Virtual)

quarta-feira, 2 de dezembro de 2020

...Jefferson Maia Inspirando o Primeiro Dia da Exposição Virtual...

O Jefferson nos inspira com sua delicadeza nos traços de sua arte, sensibilidade e emoção definimos assim como é nosso Jefferson. 

Pintura Acrílico sobre Tela - 20x40

Ter sido aceito na APBP, após a ansiosa expectativa do processo inicial entre envio de obras, laudo, entrevista e etc; o recebimento da carta com a confirmação e contrato...

Foi uma verdadeira euforia em comunhão com toda a família. Isso logo depois da "catarse" (creio que é a sensação comparada) e a gratidão plena em oração aos céus e apoio geral.

Hoje, fazer parte das fileiras de artistas Pintores com a Boca e os Pés do mundo todo me enche de orgulho e alegria, sobretudo por ter colegas de tamanho gabarito artístico somando em nosso grupo, a começar pelos membros em geral (artistas e equipe) da APBP Brasil.

Com isso, sinto sempre essa plenitude de alegria se espelhar em minha arte. Simples assim!

Desde então me empenho e por isso vou em frente, me aprimorando sempre.

Tendo gratidão como lema e foco como meta. 
Pintura Acrílico sobre papel - 20x40





Nascido(a) em: 18/04/1964
Vive em: Rio de Janeiro - RJ
Estilo de pintura: com a boca
Técnica: acrílica, aquarela e óleo





Pintura sobre madeira

Nascido em 18/04/1964 no Rio de Janeiro, RJ. Ficou tetraplégico em decorrência de um tiro no pescoço ao reagir a um assalto, mas teve mais lesões agravadas em um acidente de carro. Com a tetraplegia, formou-se em pedagogia e atuou no Paradesporto. Começou a pintar com a boca, surpreendendo-se com a sua capacidade, muito feliz com o desempenho, ainda participa de salões com notoriedade e prêmios; por isso, na arte, pinta e se aprimora todos os dias.  


Participações em Exposições anteriores:

1º ano: https://espelhodaseras.blogspot.com/2015/12/terceiro-dia-de-exposicao-dos-pintores.html
3º ano: https://espelhodaseras.blogspot.com/2017/12/as-cores-que-ressaltam-no-olhar-de.html

Outras participações do artista neste blog: 

https://espelhodaseras.blogspot.com/2019/01/retrospectiva-2018-projeto-2019.html

Todos os direitos autorais são reservados para a Associação de Pintores com a Boca e os Pés (http://www.apbp.com.br/)





terça-feira, 1 de dezembro de 2020

...Abertura 6ª Edição da Exposição Virtual...


Apresentamos Goret Chagas com um convite especial a todos os amantes da arte!



Venha prestigiar a festa anual dos pintores com a boca e os pés da (APBP).

Confira as histórias de superação e demonstrações de arte no início de Dezembro, convidamos todos a comemorar a vida.

A Exposição será exibida no blog: http://espelhodaseras.blogspot.com/

Início: 01/12/2020

Encerramento: 25/12/2020


Saiba um pouco sobre a história da APBP:

Em 1956 Erich Stegmann, pintor com a boca, reuniu 8 artistas com deficiência física objetivando obter ofício e sustento através de seus próprios esforços.

Juntando seus talentos, a APBP veio a existir, promovendo condições de vida a muitos artistas deficientes por todo o mundo.

Reproduzindo cartões, calendários e muito mais, estes artistas provam sua capacidade e talento.

Um dos principais focos de Stegmann era que a Associação dos Pintores com a Boca e os Pés nunca deveria ser considerada uma instituição de caridade pelo fato de seus membros serem deficientes físicos. Para Stegmann, a palavra “caridade” era tão abominável como a palavra “pena”. A Associação sustenta que não é uma instituição de caridade e não se qualifica para a assistência caritativa.

O pequeno grupo que foi reunido a partir dos anos cresceu significativamente, desbravando territórios e superando fronteiras. Hoje contando com aproximadamente 800 artistas, a APBP torna-se extremamente importante na vida e na dignidade destes grandes pintores.


Todos os direitos autorais são reservados para a Associação de Pintores com a Boca e os Pés (http://www.apbp.com.br/)




segunda-feira, 30 de novembro de 2020

...Entre as Frestas...

 


Ando por reflexos

Vivendo às sombras de minha vontade

Buscando a luz entre as frestas da escuridão

Entendo que hoje já não há emoção

Que o prazer de andar ou voar se dissolveu no caminho

Mesmo assim sigo em jornadas que guardam lembranças

Não digo mais palavras, na verdade não tenho nada a dizer

Apenas tento viver.

segunda-feira, 23 de novembro de 2020

...Em busca desta Estrela...

 


Escute a música no fim enquanto lê este texto!

Como seria dançar entre as estrelas?

Com meus pés tocando o infinito do vazio

Com a luz um lindo olhar

Ouvindo um cântico dos anjos

Lembro-me de uma vez sonhar

Lembro-me de uma vez desejar viver

Mas hoje contento-me em dançar

E entre os sussurros lembrar daquele tempo sem fim

Sigo o melhor dos mundos

Que giram eternamente

Conduzidos por suas estrelas

Onde está minha estrela?

Em qual valsa a encontrarei?

Sigo a dançar

Sufocando desejos e medos

Sigo a te procurar, de estrela em estrela

Até um dia poder encontrar



segunda-feira, 16 de novembro de 2020

...Vivendo o Não...

 

Olho o nada, na esperança de ver

Quem eu quero ser?

As pessoas passam e parecem não ligar

Sozinho na calçada vivo a sonhar

Mas dentro de mim existe um vazio

A fome e a solidão me corroem

Uma dor tão grande que destrói

Será que um dia alguém olhará para mim?

Uma criança perdida em um sofrimento sem fim

Não tenho escolha, preciso ser forte

A ponto de às vezes até superar a morte

Não sei se sinto raiva ou apenas quero chorar

De encontro a tudo que penso, apenas queria amar

As pessoas tornam a passar

Segurando suar crianças pela mão

Porque a vida para mim sempre diz não?

Não, ao ter minha família

Não, aos meus sonhos

Não, ao poder andar com confiança

Mas sim, as lágrimas que tenho em mim

Quando poderei andar, quando poderei sonhar

Quando poderei amar

Continuo a seguir os passos de outros

E saciar minha fome nas lembranças de outrora

Pois acredito na aurora.

segunda-feira, 9 de novembro de 2020

...Como é olhar a vida pela janela?...


Imagine uma bela praia e tente tocar na água, sentir o sol ou mesmo a areia sob seus pés. Um sentimento de não poder, invade e conquista, trazendo um vazio indescritível.

Hoje respondo a uma pergunta antiga, como é olhar a vida por uma janela, como se a vida passasse sem qualquer controle, e o tempo fosse um desespero escorrendo entre os dedos.

Em meus sonhos ainda posso ouvir o mar, mas quando acordo não está lá. 

Aqueles que puderem imaginar, saberão como é não sentir, é como se o mundo ao seu redor não existisse, e tudo o que você vivencia provêm de um capricho.

Então deixo este pensamento aos que querem ler, reflitam e agradeçam pelos verdadeiros dons que foram lhe dados.

O verdadeiro sentir é a capacidade de amar.

E o verdadeiro tocar, traduz na vontade de cuidar daqueles que você ama.